1

PROJETOS

2ªSérie:
Tema:“Corrente do bem ”

Desenvolvimento:

  • No dia do início do trabalho, a corrente de plástico terá fotos das mães/ mulheres, que fazem o bem em casa e na sociedade. E fazer o bem é muito fácil. Também pesquisaremos personalidades e empresas que praticam o bem.
    Confeccionar cartazes com figuras
    Visitar sites sobre o assunto
    Palestra com alguém que faça trabalho voluntário
    Pesquisar reportagens que falem de projetos para a melhoria da qualidade de vida
    Cantar a música: palavras mágicas
    Projetos que a nossa escola realiza para a prática do bem
    Marcador de página com coração e corrente
    Vestir-se um dia de branco mentalizando a paz no mundo
    Texto no jornal: O que eu faço para que meu próximo sinta-se melhor!
    Cartazes oferecendo abraços grátis
Um cartaz representando a educadora Alegria, com o seguinte enunciado: Esta é a educadora alegria. Ela trabalha na Escola do Amor e é companheira do Afeto, da Confiança, da Amizade que também são educadores de lá. O seu sonho é viver numa civilização do SER e não do TER. A escola toda está voltada para o crescimento e bem-estar de todos: educandos, educadores, famílias, comunidade.
Escreva 10 atividades que você poderá praticar para que todos da escola sintam-se muito bem.
Anexar no mural da sala.
Elaborar bilhetes durante 7 dias e colocar nos murais.
Enviar bilhetes de Feliz Aniversário, agradecimento, recuperação à colegas de outras turmas.
Elaborar bilhetes encorajando seus amigos a seguirem seus caminhos com confiança, alegria, força e paz, deixar nas carteiras.
Criar bolinhas mágicas
Confeccionar uma caixa e dentro delas colocar palavras mágicas (BOM TRABALHO, OBRIGADO, BOA AULA, DESCULPE, COM LICENÇA) e distribuir pela escola.
Elaborar cartazes com mensagens:
NÃO É DIFÍCIL AGRADECER FAVORES.
NÃO É DIFÍCIL RESPEITAR OS AMIGOS, PAIS E IRMÃOS.
NÃO É DIFÍCIL FECHAR A TORNEIRA.
NÃO É DIFÍCIL PEDIR DESCULPAS.Entregar o prêmio “Boa Praça”
Escolher entre os amigos, educadores, auxiliares. Pois estas pessoas estão perto e merecem um reconhecimento.
Texto para as crianças levarem para conhecidos.
Pessoas para darem palestras
Pastoral da Criança
Criança esperança
Dilson – ONG
Leniro – Evangélico.
1ªSérie:
Tema:“Cuidando de mim, dos meus pertences e da minha vida ”
Objetivo :
Preparar o educando para a vida adulta, sabendo economizar e zelar por seus pertences
Levar o educando a perceber-se como parte da sociedade escolar.
Diminuir a incidência de pertences extraviados
Levar o aluno a valorizar a sua escola
Orientar os colegas sobre atitudes de cuidado com o espaço escolar e os pertences
Objetivo geral
Despertar no aluno atitudes de responsabilidade e cidadania, zelando pelo bem comum.
Desenvolvimento:
Abertura do projeto com a música tema do projeto e explicação de como cuidar da mochila, da sala e da escola:
MÚSICA:MENINAS: Separar, ordenar, limpar, oyê!
MENINOS: É o caminho que nos leva a descobrir ir ir
MENINAS: O segredo de fazer
MENINOS: A mochila como mágica sorrir ir ir
Os alunos de 1ª série e 1º ano deverão percorrer a escola com a professora, analisando o que esta fora do lugar. Ex: roupas perdidas, papel no chão, banheiros mal cuidados, utilização inadequada de papel toalha... Neste momento o professor regente estará explicando a maneira correta de cuidar de todos os espaços da escola
Em sala será feito um registro do que foi observado e de sugestões das crianças para medidas de ação, visando a melhoria do espaço escolar.
Os alunos da 1ª série e 1º ano passarão nas demais turmas, orientando sobre cuidados com a escola e com materiais, como por ex: a personalização de todos os objetos pessoais.
Confecção de cartazes e placas que serão fixados nos murais, salas, cidade mirim, etc. como alertas : “ Apague a luz ao sair”, “ Cuide com carinho dos animais” “ Não deixe suas coisas espalhadas”, “ Você não está esquecendo nada... “
Esporadicamente os alunos da 1ª série e 1º ano deverão passar nas demais salas, com possíveis materiais perdidos, cobrando a personalização e o cuidado
Combinar com os representantes de turma que ao final do dia seja feita uma revisão nos materiais, na sala, para evitar esquecimentos
Verificar com as zeladoras quais as turmas que estão perdendo mais matérias na sala, riscando mesas ou murais ou não cuidando da higiene do ambiente e realizar orientações específicas com essas turmas
Será marcado um dia para que os alunos do Santa Quitéria e do Boqueirão troquem de turma para falar sobre o projeto
Faremos uma caixinha( sapato) em sala de aula para colocarmos durante a tarde ( manhã) os lápis, borrachas, apontadores... que encontrarmos no chão e no final da tarde o aluno vem procurar o que é seu, assim verificaremos quem não está cuidando dos seus pertences
Fazer montagem de situações de coisas fora do lugar. Ex: brinquedos no pátio, pratos no chão, etc
Contar a história “ A mochila e o 5 S”, trabalhando semanalmente a organização das mochilas dos alunos
No dia combinado com a turma, que poderá ser feito no horário de literatura, iniciaremos cantando a música enquanto a mochila for sendo organizada. Neste dia os alunos poderão fazer o registro na agenda para os pais, contando como estava sua mochila e como ficou após a organização
Poderá ser combinado 1 dia por semana para exercitar o 5 S em casa, no seu quarto, e então os pais poderiam fazer um registro na agenda para a professora
Mensalmente, convidaremos uma turma para fazer a organização da mochila, sendo orientados pelos anos da 1ª série e 1º ano
Marcar uma visita a casa de um aluno para aprender a cuidar das coisas da casa , como cuidar do guarda-roupa, cozinha, etc
Identificar os materiais com durex colorido. Cada cor corresponde a 1 disciplina, pintar na agenda o horário usando as cores combinadas
Os pertences perdidos serão repassados para a 8ª série na Rádio Atuação
Organização de: minha lancheira e sacolinha de higiene (chamar cozinheira)
Palestra de como usar o banheiro ( uma faxineira)
Cada sala convidará, através do dia marcado pelas regentes da 1ª série e 1º ano, uma mãe ou pai para falar da importância da organização em “mim”
No encerramento do projeto, faremos um teatro da história
Realizar situações como: organizar a sala interativa, almoxerifado, caixas de brinquedo
Sugestão de lembrança para o final do projeto: Cestinho de plástico para colocar roupas sujas no quarto.
Tema:
“Reciclar – Reaproveitar – Reutilizar”
Objetivo :
Estimular a participação dos alunos para a arrecadação de latas, garrafas, papéis e vidros.
Resgatar a importância do reutilizável.
Intensificar o tempo que o lixo demora para se decompor.
Diferenciar lixo orgânico de reciclável.
Compreender como se dá a utilização do lixo orgânico nas hortas, plantações (adubo)
Conhecer o processo do lixo orgânico da escola.
Enfatizar o cuidado com o meio ambiente e não a recompensa em prêmios que a turma terá.
Compreender a necessidade da reciclagem do lixo como forma de preservar o meio ambiente.
“Vestir” a idéia da reciclagem é uma idéia arrojada, futurista, buscando encontrar várias e novas possibilidades para o reaproveitamento do material reciclável.
Perceber a problematização do lixo, origem, destino, desperdício e reciclagem.
Conscientizar a comunidade escolar sobre a importância da educação ambiental na melhoria da qualidade de vida mostrando que há possibilidades de reutilização de materiais recicláveis na confecção, por exemplo de roupas e acessórios de vestuário, bem como brinquedos, aliados a uma visão positiva, criativa, participativa e integrada a todos.
Refletir sobre a importância das três palavras Reciclar, Reaproveitar, Reutilizar, respeitando a vida e a ecologia.
Proporcionar ao educando atividades pedagógicas que favoreçam nos alunos compreensão da importância como meio de sobrevivência, salientando também a importância do lixo orgânico como adubo.
Objetivo geral
O que é lixo?
Por que há tantos tipos de lixo?
Por que jogar lixo nos rios?
Para onde vai o lixo?
Após a sondagem elaborar duplas para pesquisarem o tema. As duplas formarão a “patrulha ecológica”.
Desenvolvimento:
Os alunos formarão a patrulha ecológica que fará a conscientização nas duas sedes, levando à comunidade escolar informações sobre a importância da reciclagem.
Os alunos das 3ª séries deverão se responsabilizar pela abertura da campanha, onde esclarecerão como se dará este projeto.
A patrulha fará visitas diárias nas salas de Maternal a 4ª séries para verificar a separação do lixo. Mostrar para os alunos que quando dispersamos papel, lápis, estamos destruindo árvores. Relacionar com o projeto da economia.
Entregar panfletos no portão da escola e nos semáforos próximos a ela.
Conversar com os vizinhos sobre a importância da real separação do lixo.
Interagir com as aulas de redação, onde os alunos produzirão textos sobre a importância de reciclar. Colocando no jornal da escola, a melhor redação.
Deixar o representante de cada turma, responsável pela fiscalização da separação correta do lixo em sala de aula.
Definir quem ficará responsável pela contagem:


Santa Quitéria
Boqueirão

Latas
Prof. regente
Prof. Regente

Garrafas
Prof. regente
Prof. regente

Papel
Ivonete
Rosana

Vidros
Aroldo
João
Horário
Manhã
9:00


Tarde
15:00

A patrulha passará nas salas averiguando a correta separação do lixo que poderá ser reciclado, deixando nas salas uma caixa encapada para colocar o lixo reciclável.
Conversarão com as tias da cozinha perguntando-lhes o que é feito com as cascas dos alimentos usados no dia-a-dia – Levar toda a escola para ver os buracos de adubo orgânico.
Observar se é usado na horta de escola como adubo.
Assistir vídeos, slides sobre a exposição “Reciclart” onde presenciarão como confeccionar acessórios de moda com material reciclado.
Elaborar a campanha “Junta latas e garrafas” (reciclagem de latinhas de alumínio, trazendo à tona a questão social onde muitos brasileiros sobrevivem somente da vida deste produto).
Contagem e pesagem das latinhas arrecadadas.
Visita do caminhão da Coca. – os professores marcam.
Conversar com os tios do caminhão sobre lixo reciclado que não é lixo (entrevista) envolvendo matemática (quantidade). Será feito pelas turmas da manhã – dia 20/03 – eles almoçam com 3ª A Boqueirão, 11h20min.
Visita a Usina ou Reciclagem de Campo Magro – 07/03
Elaborar entrevistas com a população sobre o tema.
Você costuma separar o lixo em sua casa?
Você sabe os dias de coleta seletiva de seu bairro?
Sabe identificar os recipientes próprios para cada tipo de lixo?
Diferencie coleta seletiva e reciclagem?
Conhece alguém que também separa lixo reciclável?
A partir de todas essas informações os alunos confeccionarão cartazes e espalharemos na escola.
Confeccionaremos uma cartilha com informações sobre reciclagem e técnicas de reaproveitamento de alimentos (fornecidas pelas coordenadoras da pastoral da criança da Vila São Jorge).
Confeccionar brinquedos e acessórios de moda e faremos uma exposição e após palestras para as crianças do Pia Dom Orione (doações de brinquedos feitos de sucata ao longo do projeto).
Após levantamento estatístico, elaborar gráficos e expor na escola ou se possível em lugares públicos. Ex.: praça
Realizar mensalmente pesagem do lixo produzido na escola. Colocar no mural esta estatística. Buscar fazer com que a produção de lixo diminua mensalmente.
Elaborar um jornal. Este terá notícia referente ao projeto, incluindo piadas, entretenimento, editorial...
Para definir o nome do jornal poderíamos abrir um concurso entre as 3ª séries, o nome mais criativo será escolhido como vencedor.
Criar um slogan para o projeto e no dia da abertura do projeto colocar uma faixa na frente da escola.Sensibilizando assim os educadores para o respeito e cuidados com a vida, possibilitando a ação de atitudes coletivas que garantam o desenvolvimento sustentável e harmônico da sociedade em relação à natureza.
Pessoas envolvidas:
“Toda comunidade escolar, família, vizinhos, amigos”
Cronograma:
Início do projeto: 20/03/2007 Término do projeto: 18/10/2007
Garrafas – Mc’ Donald – 02/10 - Sta Quitéria 03/10 - BoqueirãoLatas – Mc’ Donald – 30/09 – Sta Quitéria 01/10 – BoqueirãoPapel – Mc’ Donald – 30/09 – Sta Quitéria 01/10 – BoqueirãoVidros - Mc’ Donald – 02/10 – Sta Quitéria 03/10 - Boqueirão
Combinar “festa” de encerramento do projeto : 19/10
Sistematizar “melhor’ do controle de arrecadação das latas, garrafas e papel. (Penso em os próprios alunos da 3ª série fazerem quando forem ver o lixo, após o recreio. Instruir apenas que venha contado)
Abertura
1- Teatro: Alunos explicando o projeto. A peça será composta por algumas crianças, onde cada tipo de “lixo” falará sua importância e qual lixo que é jogado. Assim os alunos aprenderão a separar o lixo
2 – Os alunos explicarão como se dará o projeto
3 – Os alunos acompanharão as turmas em suas salas, entregarão uma caixa encapada para o lixo reciclado e colocarão uma plaquinha no lixo orgânico. Ainda na sala explicarão o cartaz que confeccionaram e o anexará na sala.
4 – Neste dia os alunos ficarão na entrada e na saída explicando brevemente o projeto e convidando a todos para participarem
Colocar na frente da escola uma faixa com o slogan criado para o projeto
Obs.: O slogan será criado pelos próprios alunos.
Tipos de lixo:
Orgânico
Reciclável ( papel, alumínio, plástico)
Recicle para o mundo não ficar um “lixo”
Recicle o seu lixo. Salve uma vida... A natureza
Lixo: separação é a solução
Abaixo o lixo misturado, apoiado o reciclável.
Tema:
O aquecimento global e eu!
Objetivo :
Levar os alunos e a comunidade das famílias a conscientizarem-se perante a ação que a escola está fazendo para ajudar na redução do aquecimento global.
Estratégias:
Fazer o texto educativo para os pais – em anexo ambos;
Fazer bolsa;
Colocar na agenda, sobre a roupa preta.
Desenvolvimento:
Neste dia todos os alunos e funcionários deverão vir trabalhar com roupa preta, caracterizando na roupa preta nossa preocupação com o aquecimento global.
Maternal I a CA:
Atividade com a coordenação usando copo para escovar os dentes e a importância do uso do mesmo;
Fala dos professores da 3ª série sobre o lixo reciclado;
Não jogar comida fora, servir somente o que for comer;
Separar o lixo;
Falar da bolsa e a explicação para a mesma.
1ª a 4ª série:
Um teatro com os alunos sobre a reciclagem, explicando sobre o uso da bolsa no supermercado;
Contar da campanha de latas e garrafas e fazer entrega de panfletos na saída de nossa escola para conscientizar os pais.
5ª a 8ª série:
5ª - Filme: Um dia depois de amanhã.
6ª - Mini palestra sobre aquecimento.
7ª - Fita Rede Globo sobre aquecimento.
8ª - Carta para a prefeitura contando o nosso projeto e contando da visita ao lixão e suas expectativas.
Tema:
“Projeto economia de água e energia ”
Objetivo geral
Aumentar a economia de a água e energia
Desenvolvimento:
Durante este ano, estaremos realizando a conscientização dos nossos alunos quanto a necessidade da economia de água e energia, para garantir a vida e o bem estar do nosso planeta. O intuito é que estes ensinamentos e atitudes sejam levados ao cotidiano do aluno, inclusive em sua casa. Por este motivo, pedimos que os alunos tragam a conta de luz de sua casa mensalmente para que seja anotado o consumo pela professora regente. A conta será devolvida no mesmo dia, se preferirem podem mandar uma cópia da mesma.O aluno que conseguir economizar mais energia elétrica durante o ano, receberá um prêmio no final do projeto.
http://www.escolaatuacao.com.br/projanual.php
Projeto O Despertar da Identidade Negra
Público-Alvo: Crianças de 4 à 6 anos – Educação InfantilJUSTIFICATIVA:O presente projeto, intitulado “O Despertar da Identidade Negra na Educação Infantil”, traduz a necessidade de caráter social e político da escola de desenvolver nas crianças, desde cedo, uma consciência crítica que possibilite ações e atitudes positivas.Responsável pelo processo de socialização, a escola estabelece relações entre crianças brancas e negras, possibilitando a convivência com diferentes raças e gêneros e a construção da identidade.Ao vivenciar essa proposta volta-se para a observação das diferenças enquanto características e abandonam-se preconceitos que ao longo do tempo da história serviam para a desvalorização dos atributos individuais.Como expressão de resistência às ideologias que marcaram e marcam a opressão ao negro, existe a manifestação de luta por meio das marchas,nas quais se pretende sensibilizar e conscientizar a comunidade a cerca do respeito às diferenças existentes nos grupos étnicos.Nessa ação vê-se o fortalecimento do compromisso com a defesa da construção do pleno exército da cidadania.Levando-se em consideração que é preciso educar o indivíduo para a convivência saudável no espaço em que está inserido, ao propor este trabalho, busca-se a compreensão de como são construídas as relações raciais.A importância disso consiste na quebra de preconceitos, inclusão social e promoção da equidade."A prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei".(Constituição da República Federativa do Brasil - Art. 5ºinciso XLII)
OBJETIVO GERAL:- Possibilitar o desenvolvimento de valores básicos para a consciência da mistura das três raças que deu origem ao povo brasileiro, para o respeito ao outro e a si mesmo e para que compreendam, respeitem e valorizem a diversidade sociocultural e a convivência solidária em uma sociedade democrática.OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Pesquisar palavras em jornais e revistas Registrar palavras pesquisadas Ler texto Observar o mapa mundi Expressar a diferença entre 13 de maio e o 20 de novembro Escrever palavras relacionadas ao tema Registrar numerais, reconhecendo as quantidades Identificar o calendário mensal como parte integrante do calendário anual Demonstrar ações de irmandade, fraternidade Reconhecer o número de letras das palavras Localizar e identificar distâncias Pesquisar gravuras/fotos Expressar situações vivenciadas ligadas à religiosidade Identificar palavras que representem o nome de alimentos de origem Africana Resolver pequenos problemas Emitir opinião sobre o que é preconceito racial Ouvir músicas relacionadas ao tema e mostrar o que percebeu na letra e no som das músicas Reconhecer som afro Participar ativamente da Oficina do Corpo Demonstrar sua compreensão da história tempo de escravidão fazendo ilustração Confeccionar maquetes de um quilombo Ilustrar a música Canto das três Raças Participar da construção do retrato étnico da turma Confeccionar pequenos chocalhos, peças de vestuários, utensílios de mesa Participar da montagem do painel da fraternidade Demonstrar a compreensão das histórias Capoeira Angolo Cultural e Resistência Negra, O ratinho branco e o grilo sem asas e Menina bonita do lenço de fita, através da ilustração. Participar da Oficina de beleza Participar ativamente das brincadeiras (Salas de brincar) Participar compreendendo o sentido da Marcha da Consciência Negra Descobrir o sentido de algumas lendas de origem afro.

Sugestões de Atividades
1º) Semana: Desconstruindo o 13 de maio Pesquisa em jornais e revistas das palavras: Trabalho, escravo, Brasil, Portugal e África. Identificação de palavras pesquisadas através de caça-palavras Leitura do texto “Zumbi pensava diferente” Observação do mapa mundi para localização do Brasil, África, Portugal. Decomposição da palavra PALMARES para formação de novas palavras.2º) Semana: Zumbi dos Palmares - O dia 20 de novembro Roda de conserva enfocando a diferença entre o dia 13 de maio e o dia 20 de novembro Tentativa de escrita de palavras Registro de numerais comparando quantidades Exploração do calendário mensal Exploração do calendário anual com observação de datas que marcam a história de negro3º) Semana: Religiosidade Construção de um glossário com palavra de origem africana Rodas de conversa enfocando a irmandade dos homens, que todos somos iguais. Exposição de ervas presentes principalmente na cultura afro Contagem de número de letras das palavras Localização identificando distâncias: Perto longe a partir da fala do narrador ao afirmar que os negros cativos vinham de muito longe. Pesquisa de gravuras ou fotos que demonstrem atos fraternos entre brancos e negros.

Música: Audição da música “O conto das três Raças” (Clara Nunes) Exploração de sons afros: tambor, atabaque, berimbauArtes: Ilustração da História Tempo de Escravidão (através de pintura com guache) Confecção de fantoches com perfil afro; Construção de retrato étnico da turma: produção de mural com fotos e frases que traduzem as características étnicas e culturais das crianças; Formação de painel coletivo com personalidades negras que alcançaram a fama; Construção de maquete de um quilombo; Confecção de chocalhos, atabaque e berimbau.Literatura:Sugerimos as histórias: O ratinho branco e o grilo sem Asas; Menina bonita do laço de fita e a lenda Negrinho do Pastoreio.


OBJETIVO: Homenagear a etnia afro e acabar com o preconceito racial.MATERIAL NECESSÁRIO: Bonecos e Caixinhas*Confeccionar os bonecos com rolos de papel higienico. OBS: Bonecos de etnias diferentes.* As caixas devem ser enfeitadas. Em casa caixa deve conter uma mensagem para que as pessoas abram e leiam.Dentro da caixa devem conter perguntas como:- Onde você guarda seu racismo?- Por que os protagonistas de novelas quase sempre são brancos e os negros empregados ou escravos?- Seria mesmo necessário cotas nas universidades se não houvesse racismo?Cada um lê a pergunta e guarda novamente. Em seguida debater sobre as questões lançadas.* As perguntas podem aumentar, diminuir ou modificar-se de acordo com o público, a realidade e faixa-etária do grupo.

Projeto Preconceito Racial
OBJETIVO: Mostrar que existe um racismo velado no Brasil e que a imagem dos negros nos livros ainda é inferiorizada perante o branco. Aumentar a auto-estima dos alunos afro-descendentes,despertar a turma para a diversidade da raça humana e promover o respeito pelas diversas etnias.COMO CHEGAR LÁ: Faça um levantamento dos heróis e heroínas conhecidos pelo grupo. Provavelmente os de cor branca serão maioria. Em seguida apresente personagens negras de livros e filmes (como o desenho animado Kiriku e a Feiticeira, disponível em fita VHS) e pessoas notórias que sejam representadas de maneira positiva. Discuta os motivos dessa diferença, peça pesquisas em jornais e revistas que comprovem a discriminação.DICA: Não chegue com discurso pronto sobre o racismo. Deixe os alunos concluírem que o preconceito e a discriminação existem, sim, no Brasil e que precisam ser combatidos. Ao falar da cultura africana e dos rituais, prepare-se para enfrentar o preconceito religioso.

Dicas de Livros
LIMA, Heloisa Pires. Histórias da Preta. São Paulo: Cia. das Letrinhas, 1998/2000. ______. Espelho Dourado. São Paulo: Peiropólis, 2003. ______. Lima, Heloisa. A Semente que veio da África, editora Salamandra (no prelo).MACHADO, Ana Maria. Menina Bonita do Laço de Fita. São Paulo: Melhoramentos. MIGUEZ, Fátima. Em Boca Fechada não entra Mosca. São Paulo:DCL, 2001. OLIVEIRA, Alaíde Lisboa de. A bonequinha preta. Belo Horizonte: LÊ, 1982.OTERO, Regina; RENNÓ, Regina. Ninguém é igual a ninguém: o lúdico no conhecimento do ser. São Paulo: Editora do Brasil, 1994. PEREIRA, Edimilson de Almeida. Os reizinhos do Congo. São Paulo: Paulinas, 2004. PRANDI, Reginaldo. Ifá - o adivinho. São Paulo: Cia das Letrinhas, 2003.RAMOS, Rossana. Na minha escola, todo mundo é igual. São Paulo: Cortez, 2004. ROSA, Sônia. O menino Nito. Rio de Janeiro: Pallas, 2002. SANTOS, Joel Rufino. Dudu Calunga. São Paulo: Ática, 1996.______. Gosto de África. Histórias de lá e daqui. São Paulo: Global, 2001. UNICEF. Crianças como você: uma emocionante celebração da infância. São Paulo: Ática, 2004. ZIRALDO. O Menino Marrom. São Paulo: Melhoramentos, 1986.É fundamental criar o hábito e o gosto pela leitura por isso sempre insira bons livros no desenvolver do seu projeto, seja ele qual for.


Zumbi pensava diferente
Aqualtune teve filhos que se tornaram chefes de mocambos, Ganga Zumba e Gana Zona, e teve também filhas, e uma delas deu-lhe um neto nascido quando Palmares esperava um ataque holandês. Os negros cantaram e dançaram muito, pedindo aos deuses que o menino crescesse bravo e forte. E, para sensibilizar o deus da guerra, deram ao menino o nome de Zumbi. Ainda bebê, Zumbi sobreviveu a um massacre, e um comandante o leva para Porto Calvo, deixando-o sob os cuidados do padre Melo. O padre acabou se tornando pai e mãe do bebê. Comprou uma escrava de seios fartos para amamentá-lo, batizou-lhe Francisco, porque "era manso e inteligente como o santo que conversava com os animais". Ensinou matemática, histórias da bíblia e latim a Francisco, que chegou a coroinha. Enquanto Palmares cresce e se fortalece, também assim acontece com Zumbi, em Porto Calvo. Porém, aos quinze anos resolve se emancipar e parte em busca de seu destino, e este estaria mata adentro, muitas léguas dali. Em algumas versões da história de Zumbi, ao chegar em Palmares, ele escolhe seu próprio nome.Aos dezenove anos, era chefe de um mocambo (ou aldeia). Ativo e muito instruído para a época, ganha a confiança de todos e é nomeado o comandante das armas pelo seu tio Ganga Zumba, na ocasião o líder supremo de Palmares. Nas lutas travadas em 1674, entre os negros, Zumbi surge como grande guerreiro, chefe valente, disposto a tudo. Nesse combate, o jovem chefe leva dois tiros, ficando coxo, mas continua a combater. Seu nome e sua coragem começavam a virar lenda. Porém, alguns mocambos foram sendo derrotados e muitos negros acabavam por se entregar. Após Ganga Zumba ter aceito o acordo proposto pelo governador de Pernambuco Pedro de Almeida que dizia que os negros e índios nascidos em Palmares se tornariam livres e os que fossem fugidos deveriam voltar a seus donos, ele volta feliz à Palmares, mas Zumbi não concorda. Para ele, não se trata somente de viver livre, mas de libertar os ainda escravos.
É a prudência e a sabedoria de Ganga Zumba contra a ousadia e o entusiasmo de Zumbi. Ganga Zumba é morto por envenenamento e a suspeita caiu sobre o próprio Zumbi, que ocupa o lugar do rei. Até mesmo os portugueses reconheciam : "Negro de singular valor, grande ânimo e constância rara". Sua valentia era lendária dentro da cruel realidade de guerra, uma guerra onde os negros não conseguem mais armas ou pólvora, a não ser a que tomam do inimigo. O rei de Portugal ainda mandou oferecer as pazes a Zumbi duas vezes. Editais são espalhados por todas as vilas e vizinhanças. Poderia morar aonde quisesse, era só parar de lutar contra a escravidão: tem que ter escravo; sem escravo não tem açúcar, sem açúcar não tem Brasil, sem Brasil não tem Portugal. Mas Zumbi pensava diferente: não precisa ter escravo; pode ter açúcar sem escravo, pode ter Brasil sem açúcar. E Portugal que se vire. Não havendo acordo, as lutas se acirraram. Zumbi resiste nas matas mês após mês, ano após ano. Em 1686, outro governador, nova tentativa. São vários grupos com mais de mil homens e com munição suficiente para uma guerra. São comandados pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, que tomaria para si as terras de Palmares, caso conseguisse derrotar Zumbi. Foi uma guerra dura e sangrenta. Palmarinos haviam construído uma muralha enorme para proteger o quilombo, e do lado de fora, Zumbi mandou abrir um fosso, disfarçado com galhos e fôlhas. Quem tentava ser aproximar, caía lá dentro. Os palmarinos e suas mulheres, de cima das cêrcas, lançavam água fervente sobre os atacantes. De um lado para o outro, Zumbi gritava aos seus homens, convidando-os a morrer em liberdade. Ele é baleado e mesmo assim continua lutando. Sua abnegada resistência levou a luta a se transformar em um massacre de incríveis proporções. A côrte não escolhe: homens, mulheres e crianças vão ficando pelo chão.
Ao raiar do dia 7 de fevereiro de 1694, só há mortos e feridos. Os homens de Domingos Jorge Velho começam, a procurar Zumbi, mas não encontram seu corpo. Mais de um ano depois, um negro prestes a ser executado troca sua vida pela informação do paradeiro de Zumbi. E assim foi: o encontraram e renderam com mais de vinte homens e no dia 20 de novembro de 1695, André Furtado de Mendonça corta a cabeça daquele que foi o mais destemido rei e guerreiro, neto da princesa Aqualtune: nascido livre e morto por querer a liberdade de seu povo. Um herói brasileiro. A notícia se espalhou entre os milhares de escravos que não acreditaram: Zumbi morto? Impossível! Um deus da guerra não pode morrer. E do fundo das noites cantavam para dar força e vigor ao rei de Palmares: "Zumbi, Zumbi, oia Zumbi..."

ZUMBI E O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
No Brasil, comemoramos o Dia da Consciência Negra em 20 de novembro, dia da morte de Zumbi. Lembramos a importância do Quilombo dos Palmares e de todas as pessoas comprometidas no combate ao racismo, na luta por uma sociedade capaz de assegurar justiça, solidariedade e igualdade com respeito à diversidade. As escolas não podem ficar de fora. No seu projeto Político Pedagógico, na sua concepção de currículo o compromisso com a erradicação do racismo, discriminação e preconceito deve estar presente. Na radionovela abaixo estamos dando os primeiros passos...juntos.


Locução 1: (Narrador)-No Brasil, comemoramos o Dia da Consciência Negra em 20 de novembro, dia da morte de Zumbi. Lembramos a importância do Quilombo dos Palmares e de todas as pessoas comprometidas no combate ao racismo, na luta por uma sociedade capaz de assegurar justiça, solidariedade e igualdade com respeito à diversidade.Personagens (Narrador)-Toinzinho, Ana, seu Francisco, Mazinho, Joana.Técnica: Música preferida pela raça negra e que tenha haver com suas tradições.Técnica: Barulho de escravos trabalhando e conversando.Locução 2: (Narrador)- (Conversa entre os participantes da novela-Elenco formado por crianças e adultos).Locução 3(Narrador)- Mazinho e Ana correndo com um presente na mão encontram Toinzinho e convidam-no para o aniversário do bisavô da Joana!.Mazinho e Ana gritam! Toinzinho! Toinzinho! Vamos pra festa de aniversário do bisavô da Ana! Toinzinho responde: Eu já ia mesmo te chamar, Mazinho!(Mazinho)-Afinal, não é sempre que se comemora 110 anos! (Toinzinho)- É mesmo! Ele é o morador mais idoso da cidade! Merece todo nosso respeito! De repente Joana aparece e diz: Oi, turma! A festa já vai começar, vamos lá prá casa! Seu Francisco estava sentado numa cadeira quando a gurizada entrou gritando! Feliz aniversário, seu Francisco! O bisavô de Joana contente disse: Olá! E, cheio de felicidades abraça a todos! Emocionado diz: é muito bom ser lembrado e estar festejando com pessoas de vários povos!Técnica: Música de aniversário.(Toinzinho exclamou)- Como assim, seu Francisco? Nem sempre foi assim meu filho! As outras crianças ouviam atentas seu Francisco Falar: Antigamente, as coisas eram diferentes! Os negros como eu eram tratados como coisas, simples coisas, não como seres humanos!(Joana) de repente Joana fala para seus amiguinhos: É porquê nossa família foi trazida à força da África para o Brasil como escravos! Os amigos de Joana gritavam: eu conheço a África! É a terra dos leões... e dos filmes de Tarzan!Técnica: Grito de Tarzan na selva.

Seu Francisco ficou imaginando e falando baixinho: Sim...e dos homens nus e selvagens...Elevou a voz: infelizmente essa é a imagem que a maioria das pessoas têm da África! Continuou: mas a verdade não é essa! Garotada! A África, antes de ser colonizada, era composta de vários Estados, reinos e até impérios! Isso quer dizer que lá existia uma organização social e política, território definido, vida organizada, cidades estruturadas, urbanização,enfim muita coisa havia...Falou um pouco mais alto dizendo: como por exemplo o Império de Gana no século XIII, de Mali no século XIV e o império de Songai, do século XVI ao XVIII.Toinzinho abriu os braços e bradou: Quer dizer seu Francisco que a África estava inserida no mundo!!! Seu Francisco respondeu SIM!!! E continuou: os africanos comercializavam com a China! Por exemplo, veja esta gravura do século VII em que africanos são representados negociando com os chineses!Locução 4:(Narrador)-Toinzinho e Mazinho perguntaram ao Seu Francisco?Então os povos da áfrica se comunicavam entre si? Seu Francisco: É claro! Eles se conheciam! Exemplo disso é a expansão da tecnologia do ferro através do comércio, guerras e mudança de povos! O uso do ferro exigia conhecimentos de química , construção de fornos e sociedades organizadas! No deserto foram construídas cidades, organizadas rotas comerciais de caravanas e floresceram centro de estudos por viajantes do comércio!Locução 5: (Narrador)-E, ‘continua animado contando a gurizada os feitos de seu povo’:(Seu Francisco): Os grandes rios africanos foram fundamentais para o crescimento da população e transporte de produtos! Portanto, eles conheciam a tecnologia da navegação!Locução 6:(Narrador)- Toinzinho o mais curioso, indagou:(Toinzinho)- Puxa...eu pensava que a África era toda igual!
(Seu Francisco)- Não é não! A África hoje é formada por 53 países, com religiões diferentes, costumes diferentes...Esses países estão bem organizados, assim como existe o Mercosul e outros blocos econômicos, os países africanos criaram em 1963 a Associação dos Países Africanos para cooperação mútua e eliminação do colonialismo! Temos que apagar as imagens que temos do continente africano e construir outras mais positivas! Os africanos estão integrados na base de formação étnica e cultural do Brasil! Por isso é preciso conhecer melhor a realidade dos negros no nosso país!Locução 7: (Narrador)-Toinzinho espantado responde:(Toinzinho) Seu Francisco o senhor sabe tudo isso?Locução 8 :(Narrador)- Seu Francisco respondeu:(Seu Francisco) Sim, minhas queridas crianças!Locução 9 :(Narrador)-Toinzinho ainda admirado com todo desfecho da conversa disse:(Toinzinho) Na escola aprendemos que antigamente existiam escravos negros no Brasil! O senhor conhece essa história? Sim! Meu pai e meu avô foram escravos! A escravidão só acabou no Brasil em 1888, o nosso país foi o último a acabar com a escravidão! Toda gurizada ficou espantada!Técnica: som de espanto de criança!Locução 10:(Narrador)- O seu Francisco colocou mais lenha na fogueira:(Seu Francisco)-Os negros trabalhavam em sua maioria nas lavouras de cana-de-açúcar, nas minas de ouro e fazendas de café...Locução 11-(NARRADOR)-Por um instante os meninos de afastaram e começaram a conversar entre si:(Os meninos) que eram os pilares da economia do Brasil colonial! Já pensou se não fossem negros?Locução 12(Narrador)- Seu Francisco interferiu na conversa dos garotos!Técnica: Som de interferência.(Seu Francisco) Exatamente! Prá vocês verem, os imigrantes só chegaram no final do século XIX! Antes disso o Brasil foi todo construído pelos que aqui estavam!Locução 13(Narrador)- Novamente indagou Toinzinho?

(Toinzinho)-Mas então sem o trabalho dos negros o Brasil não existiria? Sim Toim...Inclusive alguns políticos da época diziam isso! Mas infelizmente isso era usado para justificar a escravidão, e não como base para reconhecer o direito desses seres humanos!!!Locução 14(Narrador)- Joana entrou na conversa e indagou ao avô?(Joana): Mas os escravos realizavam outros tipos de serviço, não é? Seu Francisco. Sim! Eram ferreiros, sapateiros, carpinteiros, vendedores... mas os negros não se acomodavam à escravidão! Eles se rebelavam através de movimentos como o de Palmares e outros quilombos! Ela continuou perguntando! E o que eram quilombos? Seu Francisco na sua sapiência ia explicando! Eram povo – ações escondidas nas matas, formadas pelos escravos fugitivos! Além das fugas individuais, havia violentos combates contra os senhores e os feitores...Para controlar os escravos e garantir a segurança dos senhores e a produção, os feitores e capitães do mato eram muito severos e desumanos, torturando escravos rebeldes até a morte...Técnica: barulho de chicotadas.Locução 15(Narrador): Por volta de 1675, o rei dos quilombos dos Palmares Ganzá-Zumba, negociou a paz com o governador Pedro de Almeida, recebendo terras do morro do Cucáu, mas foi traído e morto!Seu Francisco já está cansado disse a garotada:(Mazinho) Como seu Francisco nos deu uma grande lição sobre os Zumbis dos palmares e a história da África, vamos entregá-lo o presente e cantar mais uma vez parabéns...Locução 16(Narrador)- Para coroar o final feliz da história todos alegres e abraçados comemoraram cantando os parabéns pra você!!!!Técnica: Música de parabéns com algazarra.Locução 17(Narrador)- E no final se despediram e foram todos para casa cantarolando, menos Joana que ficou fazendo companhia a seu avô!!!Técnica: Música de criança cantarolando.FIMNOVELA DE RÁDIOANTONIO PAIVA RODRIGUES-CONCLUDENTE DE JORNALISMO( Paivinhajornalista )Publicado no Recanto das Letras em 19/04/2007

Dinâmicas...
Através de dinâmicas incentivar os alunos para o desenvolver do projeto ou simplesmente refletir sobre o tema.DINÂMICA DAS FLORES:Leve flores de diferentes cores e formas para a classe e deixe que cada aluno escolha uma. Depois, pergunte o que chamou a atenção deles para escolher aquela flor. Peça-lhes que percebam as diferentes cores, o perfume, a textura, as diferentes formas... Chame sua atenção para o fato de as flores serem diferentes e nem por isso menos belas e apreciadas. Depois, peça que olhem uns para os outros. Assim como as flores, cada um é diferente, mas não menos importante. Muitas coisas variam: cor e tipo de cabelo, formato e cor dos olhos, tamanho do nariz, altura, cor da pele, etc.

DINÂMICA DAS CORES:Leve um aparelho de som para a classe e coloque uma música suave. Espalhe lápis de várias cores sobre a mesa e peça para as crianças escolherem a cor que mais lhes agrada. Haverá cores iguais e cores diferentes. Converse com elas sobre como seria o mundo se tudo fosse de uma só cor... É bom haver cores diferentes e por quê?Depois, peça que olhem uns para os outros. Assim como as cores, cada um é diferente. Muitas coisas variam: cor e tipo de cabelo, formato e cor dos olhos, tamanho do nariz, altura, cor da pele...


HALLOWEEN NA ESCOLA
O dia das bruxas é muito popular nos Estados Unidos. É uma festa também festejada no Brasil, no dia 31 de outubro, onde as crianças e adultos se vestem de fantasma ou usam máscaras que assustam.1- OBJETIVOS DA COMEMORAÇÃO NAS ESCOLAS: - Desmistificar na criança os seus medos inconsequentes e os medos incutidos por má informações, na tentativa de que ela entenda os seus próprios sentimentos e bloqueios; - Brincar de bruxas e fantasmas é uma forma da criança se apossar da consciência de que são mitos criados pela imaginação; - Viver a realidade de suas próprias emoções favorecendo assim, a construção da sua autoconfiança. 2- ATIVIDADES: - Leitura de textos, contos de fadas que aparecem bruxas: Rapunzel, Branca de Neve, João e Maria, etc; - Problematizar o tema com as crianças : “Existem bruxas ?”....”Como vocês imaginam que elas são?”; - Registros e informações em textos coletivos, fazer desenhos relacionados; - Dobraduras e colagens com papel branco e preto, vermelho e roxo, laranja....referente ao tema ( bruxas, abóboras, fantasmas, maçã da Branca de Neve, Gato Preto, caldeirão, vassoura da bruxa, etc ).

CALDEIRÃO DA BRUXA:
OBJETIVO: - Criar um clima favorável à expressão emocional, dando às crinaças a oportunidade de manifestar suas emoções. ATIVIDADES: - As crianças escrevem seus sentimentos num papelzinho e colocam no caldeirão ( se a criança não souber escrever, a professora escreve para ela). - Os papeizinhos serão colocados no caldeirão para serem queimados no final do dia. É o momento de se queimar toda a raiva e ressentimentos. É a oportunidade para a “tia” trabalhar com os alunos, comportamentos agressivos, raivas, invejas, mentiras, enfim , ressaltar que sentimentos negativos não nos leva a nada. Lembrar da história da Branca de Neve, onde a personagem era amada por todos no castelo e também pelos animais da floresta, Só a madrasta ( bruxa ) , possuía o sentimento da inveja. - Recorte e colagem de: caldeirão, chapéu da bruxa, varinha de condão, gato preto, etc - Confecção de um livro das sombras. SUGESTÕES: - Cada turminha na escola, poderá escolher um nome para sua turma durante o desenvolvimento desse trabalho, por exemplo: turma das estrelinhas, dos fantasminhas, do gato preto, dos morceguinhos, das abóboras, etc - No final do trabalho ( ou da semana ) as turmas podem montar um painel onde vão expor todos os trabalhos artísticos desenvolvidos. Sugestões retiradas do blog PRAZER DE ENSINAR


O dia 31 de Outubro também é O DIA DO SACI. Logo, é muito importante não valorizar apenas a tradição americana e esquecer da nossa própria tradição.

Projeto Saci
Com caráter inovador o personagem do Saci pode ser a mola propulsora não só no resgate da presença da cultura brasileira na escola, como também, o elemento mágico, travesso, versátil, irreverente, respeitoso e malandro, traquinas, simpático, enfim um brasileiro. No imaginário infantil Saci representa a liberdade, a vivência de nossas matas, o prazer de brincar, de tocar instrumentos, de cantar as nossas cantigas e comer as delícias brasileiras. Dentro do contexto educacional, ofereça aos discentes uma formação cultural ampla com oportunidades diversificadas de aprendizagem e prática, sistematizadas nas diversas áreas do conhecimento. Sugestões de Atividades:- Divulgar a cultura brasileira, através de atividades lúdicas como brincadeiras de roda, histórias e danças.

" Feliz é aquele que transfere o que sabe e
aprende o que ensina"( Cora Coralina )


EU, BRUXINHA
Como toda bruxa moderna Minha vassoura é motorizada Assim ninguém me passa a perna E vôo veloz feito alma penada No meu castelo medieval Vivo sempre a espantar Os que acham que só faço o mal E que vivem a me atazanar Mas engana-se quem pensa assim Sou até uma bruxinha bacana Só uso o pir lim pim pim Naqueles que são sacanas, Que vivem da miséria alheia Inventando maledicências Sentem inveja, fazem coisas feias, Com esses não tenho clemência Mas gosto mesmo é de ver A paz espalhada por todo lugar E todos um dia irão perceber Que bruxa também sabe AMAR !Sônia Maria Grillo




Projeto Natal
Universal, abrangente, calorosa ­ assim é a festa de Natal, que envolve a todos. Uma das mais coloridas celebrações da humanidade, é a maior festa da cristandade, da civilização surgida do cristianismo no Ocidente. Época em que toda a fantasia é permitida. Não há quem consiga ignorar a data por mais que conteste a importação norte-americana nos simbolismos: neve, Papai Noel vestido com roupa de lã e botas, castanhas, trenós, renas. Até os antinatalinos acabam em concessões, um presentinho aqui, outro acolá. Uma estrelinha de belém na porta de casa, uma luzinha, um mimo para marcar a celebração da vida, que é o autêntico sentido da festa. Independente do consumismo, tão marcante, o Natal mantém símbolos sagrados do dom, do mistério e da gratuidade. Na origem, as comemorações festivas do ciclo natalino vêm da distante Idade Média, quando a Igreja Católica introduziu o Natal em substituição a uma festa mais antiga do Império Romano, a festa do deus Mitra, que anunciava a volta do Sol em pleno inverno do Hemisfério Norte. A adoração a Mitra, divindade persa que se aliou ao sol para obter calor e luz em benefício das plantas, foi introduzida em Roma no último século antes de Cristo, tornando-se uma das religiões mais populares do Império. A data conhecida pelos primeiros cristãos foi fixada pelo Papa Júlio 1º para o nascimento de Jesus Cristo como uma forma de atrair o interesse da população. Pouco a pouco o sentido cristão modelou e reinterpretou o Natal na forma e intenção. Conta a Bíblia que um anjo anunciou para Maria que ela daria a luz a Jesus, o filho de Deus. Na véspera do nascimento, o casal viajou de Nazaré para Belém, chegando na noite de Natal. Como não encontraram lugar para dormir, eles tiveram de ficar no estábulo de uma estalagem. E ali mesmo, entre bois e cabras, Jesus nasceu, sendo enrolado com panos e deitado em uma manjedoura.

Pastores que estavam próximos com seus rebanhos foram avisados por um anjo e visitaram o bebê. Três reis magos que viajavam há dias seguindo a estrela guia igualmente encontraram o lugar e ofereceram presentes ao menino: ouro, mirra e incenso. No retorno, espalharam a notícia de que havia nascido o filho de Deus.


O "Feliz Natal" no mundo
Brasil: Feliz Natal Bélgica: Zalige Kertfeest Bulgária: Tchestito Rojdestvo Hristovo, Tchestita Koleda Portugal: Boas Festas Dinamarca: Glaedelig Jul EUA: Merry Christmas Inglaterra: Happy Christmas Finlândia: Hauskaa Joulua França: Joyeux Noel Alemanha: Fröhliche Weihnachten Grécia: Eftihismena Christougenna Irlanda: Nodlig mhaith chugnat Romênia: Sarbatori vesele México: Feliz Navidad Holanda: Hartelijke Kerstroeten Polônia: Boze Narodzenie


Natal - Mini-projeto: Varal de mensagens
Propor aos alunos a criação de um varal com mensagens de paz, fraternidade, amor, solidariedade, respeito e colaboração.Levante com os alunos situações em que esses sentimentos são manisfestados, quando faltam, o que as pessoas podem fazer para ajudar uma as outras...Depois que eles façam desenhos representando essas mensagen e exponham, na sala ou em um varal em um corredor de circulação comum da escola.


Um Sonho de Natal
Luzinha era uma estrela bem miudinha que morava lá no céu, misturada com as outras, brincando de piscar. Quando chegava o mês de dezembro, ficava sonhando...Sonhava ser estrela do Natal, bem brilhante e bonita.E suspirava: "Como seria bom todo mundo olhando para mim, lá de baixo, com o coração contente!"Mas ela sabia que não tinha tamanho para isso... Que aquela noite era muito especial e precisava de um brilho bem fortão, que iluminasse os olhos das pessoas. Parecia mesmo um desejo impossível de realizar. Mas, bem no dia 24, a estrela de Natal ficou doente! Tudo porque um raio de sol escapou de seu lugar e caiu direto nela. Agora ela estava ardida e toda vermelhinha, sem o brilho de sempre. Até ficar boa, já seria o ano novo.Então Luzinha teve uma idéia! E o seu sonho salvou aquele Natal. Quem olhava para o céu, nem notava a diferença. Lá estavam todas as estrelas miudinhas, num abraço apertado! Por acaso você saberia, se eu não tivesse contado? ( Evelyn Heine )

DINÂMICAS
Perguntas para avaliação ou revisão
Duração: 10 minutos
Público: crianças, 6 participantes.
Material: 1 saco, perguntas em pedaços de papel, brindes (no mesmo número que as perguntas), aparelho de som e cd com uma música animada.
DESENVOLVIMENTO:Coloque as crianças em círculo. Elas terão de passar o saco com as perguntas dentro enquanto a música é tocada. Não vale demorar-se para passar o saco, nem jogar em cima do outro. Tem que ser passado de mão em mão. Quando parar a música, a criança que estiver com o saco na mão, retira uma pergunta, a lê e responde em voz alta. Caso esteja correta ganha o brinde. A brincadeira continua até que as perguntas acabem.


Corrida do Chaveiro
Tema: atenção; integração.
Duração: 10 minutos.
Público: adolescentes, mínimo 10 pessoas.
Material: um chaveiro ou pandeiro (ou qualquer objeto que faça barulho); cadeiras
DESENVOLVIMENTO:Forme um círculo bem espaçoso e aberto com as cadeiras, com os assentos voltados para dentro, com tantas cadeiras quantos forem os participantes, menos uma. Você deve estar no centro do círculo segurando o chaveiro. Você começa a andar e pega uma pessoa; de mãos dadas, vocês continuam caminhando; a pessoa que está com você deve pegar uma outra pessoa sentada, e assim por diante, sempre dando as mãos e caminhando. Quando quiser, deixe cair o chaveiro e todos devem correr para uma cadeira. Quem ficar de pé recomeça a brincadeira.Para acrescentar suspense, finja deixar cair ou balance o chaveiro, fazendo barulho ou caminhe bem longe das cadeiras. Estipule "castigo" para quem se soltar ou correr antes que o chaveiro realmente caia.

Cruzado ou Aberto
Tema: concentração, descobrir a senha.
Duração: 5 minutos.
Público: adolescentes, mínimo 10 pessoas.
Material: duas canetas, lápis ou varetas; cadeiras.
DESENVOLVIMENTO:Todos sentam-se em cadeiras arrumadas em círculo, deixando o centro livre.O orientador pega uma vareta em cada mão e explica para o grupo que o jogo consiste em passar as varetas (uma em cada mão) para o vizinho da direita: Cada pessoa ao passar deve optar por cruzar as varetas, colocando uma sobre a outra e formando um "X" ou deixá-las abertas, mantendo-as separadas, uma em cada mão.Ao passar as varetas para o seu vizinho, se as suas varetas estiverem cruzadas, diga "Eu passo cruzado". Se as suas varetas estiverem abertas, diga "Eu passo aberto". O orientador - que no início é a única pessoa que sabe a senha - observa a posição das pernas de cada um, e responde "Sim" ou "Não" de acordo (se as pernas do participante estão cruzadas ele precisa passar as varetas cruzadas; se as pernas estão descruzadas, ele deve passar as varetas abertas). Atenção que as pessoas às vezes mudam de posição durante o jogo e precisam mudar a forma como passam as varetas de acordo. O orientador não explica porque sim ou não; o jogo se torna mais engraçado a medida em que alguns jogadores descobrem a senha e participam no coro do "Sim" e do "Não". Quando a maioria já souber a senha e antes que o grupo perca interesse no jogo, finalize-o, fazendo uma rodada em que aqueles que já conhecem a senha, procuram mostrar aos demais como acertar a senha.

Desembrulhe o Chocolate
Tema: coordenação motora, atenção.
Duração: 15 minutos.Público: adolescentes, mínimo 6 pessoas.
Material: mesa, dado, luvas de jardinagem, garfo e faca, chocolate, papel grosso, barbante. DESENVOLVIMENTO:Embrulhe a barra de chocolate com papel e barbante. Para grupos grandes, sobreponha mais de uma folha de embrulho. Para grupos pequenos um embrulho é suficiente.Coloque o embrulho sobre uma mesa e posicione as pessoas ao redor. A brincadeira consiste em desembrulhar o chocolate usando as luvas e os talheres.Cada um, em turno, joga o dado e aquele que tirar 6 calça as luvas e começa a tentar desembrulhar o chocolate. Os demais continuam rolando o dado; quando alguém tirar 6, deve pegar as luvas com o colega, calça-las, e sempre com os talheres, continuar desembrulhando. Pode-se parar a brincadeira ao chegar ao chocolate, e dividir a barra entre todos ou continuá-la, deixando que cada um coma o que puder, ainda usando luvas, talheres e o dado para determinar a vez.

Expressão da Amizade
Tema: auto-estima, integração.
Duração: 10 minutos cada.
Público: crianças, mínimo 6 pessoas.
Material: veja cada sugestão. 1 - Ordem Alfabética:As crianças formam um círculo. Uma de cada vez, seguindo a ordem do círculo, deverá dizer: "Amo meu amigo porque ele é... " e acrescenta um adjetivo com a letra A. A criança seguinte deverá dizer, "Amo meu amigo por que ele é..." e usar um adjetivo com a letra B. E assim sucessivamente com todas as letras do alfabeto2 - Letra igual nome e elogio:Uma criança vai para o centro da roda, e escolhe um colega. Se coloca de frente para ele e diz: "(nome do colega) eu gosto de você por que você é..." e um adjetivo que comece com a mesma letra do nome de quem ela escolheu.A criança que recebeu o elogio vai para o centro da roda e recomeça o jogo. Aquela que estava no centro da roda anteriormente, volta para seu lugar na roda, mas senta-se no chão, para que todos saibam que ela já brincou. 3- Por escrito:Faça uma folha com o nome de cada criança, bem grande em cima. Passe as folhas entre as crianças, pedindo que cada uma escreva ou desenhe uma característica ou elogio correspondente ao nome escrito. Depois entregue as folhas aos respectivos donos, ou guarde-as para serem enviadas como presente de aniversário ou natal.


Gato e Rato
Tema: números e horas; integração.
Duração: 10 minutos.
Público: crianças, 8 pessoas.
Material: nenhum.
DESENVOLVIMENTO:As crianças formam uma roda. Uma delas, o Rato, fica dentro da roda. Outra, o Gato fica fora da roda. O Gato pergunta: "Seu Ratinho está?"As crianças da roda respondem : "Não"O Gato pergunta: "A que horas ele chega?"As crianças respondem um horário a escolha.As crianças começam a rodar e o Gato vai perguntando: "Que horas são?" e as crianças respondem: "Uma hora" - "Que horas são?" - "Duas Horas" e assim até chegar ao horário combinado. As crianças na roda devem parar com os braços estendidos; o Gato passa a perseguir o Rato.A brincadeira acaba quando o Gato pega o Rato. Para os bem pequenos é preferível que os que estão na roda fiquem parados até que o gato pegue o rato. Para crianças maiores as que estão na roda podem ajudar o rato a fugir ou atrapalhar o gato, sem desfazer o círculo.Pode-se repetir a brincadeira algumas vezes, dando chance a quem quiser ser rato e gato. Procure parar a atividade antes que as crianças percam o interesse.

Minha tia foi a Espanha
Tema: memorização.
Duração: 10 minutos.
Público: crianças, 8 pessoas.
Material: nenhum.
DESENVOLVIMENTO:Forme um círculo (ou determine uma ordem de participantes).O primeiro começa "Minha tia foi a Espanha e trouxe um chapéu" (ou qualquer objeto).O próximo deverá dizer "Minha tia foi a Espanha e trouxe um chapéu e uma meia" (ou seja, repete o que o primeiro disse e acrescenta seu próprio objeto).E assim sucessivamente. Quem errar sai do jogo, assim o último que conseguir lembrar a ordem completa de objetos é o vencedor (ou pode-se encerrar o jogo ao perceber os primeiros sinais de desinteresse). Para aumentar a dificuldade:O próximo objeto a ser citado deve começar com a letra seguinte no alfabeto, da letra inicial do objeto anterior:"Minha tia foi a Espanha e trouxe..." um Abacate, uma Bolsa, um Cinto, etc... Ou você pode restringir o tipo de coisa, por exemplo, só pode usar nomes de flores, ou nomes de frutas, ou visíveis no local onde se está fazendo a brincadeira. Variante: Meu nome é...Use este jogo para lembrar os nomes das pessoas de um grupo.O primeiro diz "Eu me chamo..." (e diz o seu nome) o seguinte deverá dizer "Eu me chamo..." o nome do primeiro seguido do seu próprio.Cada pessoa pode também acrescentar um gesto ao nome, assim o seguinte deverá repetir todos os nomes com os gestos correspondentes antes de acrescentar o seu próprio.

Nó Humano
Tema: integração, contato físico, resolução de problemas.Duração: 10 minutos.Público: adolescentes, 8 pessoas.Material: nenhum.
DESENVOLVIMENTO:Forme um círculo, todos de mãos dadas. Oriente cada um para observar bem que está a seu lado direito e a seu lado esquerdo e frise bem que "Não pode esquecer, nem trocar!".Peça ao grupo que solte as mãos e caminhe livremente pela sala, procurando cumprimentar pessoas diferentes daquelas que estavam a seu lado. Depois de um minuto, peça que parem onde estão.Peça que cada um procure, sem sair do lugar, dar a mão novamente a quem estava à sua direita e à sua esquerda (quanto mais confusa for esta parte melhor). No final, você deve ter um amontoado de gente.Agora a brincadeira começa: o objetivo é, sem soltar as mãos, voltar a ter um círculo no centro da sala. O grupo deve conversando entre si, determinar quem passa por baixo de que braços, e por cima de outros braços, até que o círculo fique completo. Podem se formar vários grupos, e fazê-los competir entre si (quem termina mais rápido, quem termina certo, etc..).
REFLEXÃO:Depois do jogo, proponha uma reflexão: Alguns terão que fazer um esforço maior que outros, mas todos terão que fazer a sua parte. Esta dinâmica chama a atenção para a mensagem de que, se o trabalho em grupo é planejado, tudo funciona melhor, e o resultado certamente será positivo.


Vou a festa...
Tema: concentração, descobrir a senha.Duração: 10 minutos.Público: adolescentes, mínimo 8 pessoas.Material: nenhum. DESENVOLVIMENTO:Forme um círculo (ou determine uma ordem de participantes).A brincadeira consiste descobrir a senha que permite ir à festa. Cada jogador deve dizer "Vou a festa..." e acrescentar uma roupa ou acessório.O orientador do jogo, dirá se SIM ou NÃO de acordo com uma senha que ele determinou previamente sem dizer a ninguém. Quem descobre a senha pode se juntar ao orientador dizendo SIM ou NÃo para os colegas. Encerre o jogo quando mais da metade do grupo já houver descoberto a senha; e deixe o grupo ajudar aos demais a identificar qual a senha. Sugestões de senhas:- roupas e acessórios que esteja vestindo no momento da brincadeira- objetos que comecem com letras do nome de cada jogador- roupas ou acessórios que a pessoa que está à direita esteja vestindo.

DINÂMICAS PARA PRODUÇÃO TEXTUAL

Tão importante quanto desenvolver o hábito da leitura é desenvolver o hábito e o gosto da escrita. Mas como levar os alunos a produzirem textos coerentes e significativos?Sugerimos usar e abusar de jogos e dinâmicas de produção textual.Para tanto seguem algumas boas idéias.

1)- JOGO DOS ABSURDOS
Essa atividade estimula a compreensão da criança em relação a uma série de fatores de seu meio físico e social.Segue uma lista desses absurdos que podem ser trabalhados com as crianças.- Vi um cachorro escovando os dentes.- João calçou o sapato na mão.- Minha gatinha gosta de passar baton.- Papai guarda o carro na casa do cachorro.- O cavalo pegou todo o dinheiro e foi depositar no banco.- Mamãe guardou o sapato na geladeira.- Papai preparou um gostoso café com sal e pimenta.- A gatinha Mimi, botou dois ovos.- O cachorro da vovó lava roupa com sabão em pó.- O sorvete estava muito quente.- A bicicleta chegou apitando e jogando fumaça.- Cortei um pedaço de leite para o meu colega.- Papai ganhou um vestido novo.- Mamãe guardou os livros na geladeira.- Os automóveis devem andar na calçada.- O peixinho subiu na árvore e foi para o seu ninho.- A gatinha estava lambendo sabão.- O gatinho da vovó tem uma pata só.- Plantei a rosa no vaso do banheiro.- Mamãe varreu a casa com a escova de cabelo.- Mariazinha colou o trabalhinho com a cola do cachorro.- Ganhei ovinhos de Páscoa no Natal.- Jéssica come pão com sabão em pó.- Mayara lava roupa com margarina.Alguns absurdos dessa lista foram alunos que criaram.

2)- ANALOGIA VERBAL
Completar frases envolvendo relação: cores, tamanho, gênero, número...- A cenoura é alaranjada, o tomate é...- A abóbora é grande, a uva é...- O gato faz par com a...- O cachorro faz par com a...- A vaca faz par com o...- O menino faz par com a...- O galo faz par com a...- Eu tenho uma folr, se ganhar mais uma fico com...- Clarissa tem uma banana, se eu lhe der mais uma, ela fica com...- O feijão é preto, o arroz é...- O papai é marido da...- O vovô é marido da...- O dindo é marido da...- O tio é marido da...- O vizinho é marido da...- O leite é branco, o café é ...- O moranguinho é pequeno, a melancia é...- O gelo é frio, o fogo é...- O céu é azul, a grama é...- A avó é mãe da...

3)- JOGO DA IMAGINAÇÃO:
VAMOS IMAGINAR UMA COISA-muito macia - muito alta-muito dura - muito bonita-muito reta -muito cheirosa-muito curva -muito fria-muito molhada -muito quente-preta -grande-vermelha -pequena-amarela -triste-azul -alegre-branca -muito gostosa-com gosto ruim -escura-com cheiro bom -melada-salgada -muito suja-doce-com cheiro ruim Desenhar e escrever sobre o que imaginou.

4)- VENCENDO OBSTÁCULOS
COMO VENCER OBSTÁCULOS-Imaginem que estamos embaixo de uma laranjeira, mas o tronco é muito grosso e não podemos apanhar as laranjas.O que poderíamos fazer para chegar lá em cima?-Imagine que estamos no início de uma ponte e ela se parte ao meio. O que faremos para chegar do outro lado?- Imaginem que estamos bem no meio de um lago, dentro de um barquinho remando, de repente os remos caem dentro da agua. O que podemos fazer?- Estamos em um telhado e subimos com a ajuda de uma escada, mas a escada caiu.O que vamos fazer?-Estamos na beira de um rio, pescando e nosso chapéu caiu dentro do rio. Como vamos pegá-lo? * As respostas podem ser debatidas e exploradas oralmente em um primeiro momento.* Propor a produção textual em duplas ou grupos a partir das respostas.

5)- ASSOCIAÇÃO
ASSOCIAR IDÉIAS LIVREMENTERelacionar a palavra dita pelo professor com outras "palavras" ou "frases"-vaca-homem-bicicleta-frutas-natal-nuvem-escola-trabalhinhos-recreio-saúde-remédio-praia-frio-triste-felicidade-saudade
6)- ORGANIZANDO PENSAMENTOS
ORGANIZAR PENSAMENTOS FORMANDO CONCEITOSO Que é...-uma casa (como é feita, de que, que cor...)-uma piscina (para que serve, o que tem dentro, o que precisa para comprar...)-um médico (o que faz, como se veste, onde estudou...)-um marinheiro (onde trabalha, o que faz, como ajuda as pessoas...)-uma árvore (...)-uma nuvem (...)-a chuva (...)-a mãe (...)-o prefeito (...)-o vereador (...)


7)- COMPLETAR FRASES LIVREMENTE
-A bandeira do Brasil é...-Papai é...-Mamãe é...-Clarissa, tirou o casaco porque...-O menino sujou o sapato no...-Lauren estava na praia e...-Amanhã, eu vou passear no...-Papai vai me comprar...-A chuva era tão forte, que...-O dia, hoje está...-Ontem, eu sonhei com...-Eu fui na janela e vi...-A maçã que eu comprei, estava...-Eu gosto de brincar de...-Não gosto de comer...-Não gosto de gente...-Venho na escola porque

8)- JOGO DAS RIMAS
- A minha amiga Rita, pôs no cabelo uma fita...- A fita era amarela, igual a da...- Anda depressa, João. Lava a mão com...- Se você é meu amigo, não deve brigar...- Ganhei um lindo anel do meu primo...- O meu irmãozinho está muito...- Antonio, traz na mão, um bonito...- Vou fazer um suco de melão com...

9)- DESENVOLVIMENTO ORAL
Colocamos várias figuras em cima da mesa (coisas, animais, profissões,paisagens, etc), voltados com a face para baixo.A pergunta central é "Oque você faria se fosse...?"A criança, vira a figura, observá-a e completa a frase.O professor deve estimular os alunos a falarem bastante sobre esse "personagem"

1 comentários:

JANONA

ADOREI PASSAR PO AQUI.
AS IDÉIAS SÃO ÓTIMAS PARA SEREM TRABALHADAS COM OS MEUS ALUNOS.
AMEI!
BEIJOS!

 

Copyright © 2013 - Todos os direitos reservados | Template by MG Design